Brasil persegue os bilhões da criatividade de seus negócios

 
 
 
 
Foto 1: Trabalho dos Irmãos Campana
Foto 2: Peixonauta
 
Governo encampa a tese de desenvolvimento da Economia Criativa, promovendo políticas públicas para artistas e inovadores em geral

Por Danilo Fariello 

Brasil persegue os bilhões da criatividade de seus negócios. Governo encampa a tese de desenvolvimento da Economia Criativa, promovendo políticas públicas para artistas e inovadores em geral .

Produção dos irmãos Campana é exemplo de criatividade exportada pelo Brasil Os poucos consagrados brasileiros que estão nesta semana em Cannes, para o festival de propaganda, não são os únicos a lucrar com a criatividade no país. Profissões de diversas linhas, como artes visuais, audiovisual, desenvolvimento de softwares, arquitetura, design, gastronomia, moda, cartoons, entre várias outras que têm nas ideias a fonte fundamental de eficiência, têm levado o Brasil a lucrar bilhões de dólares aqui dentro e em exportações. Essa efervescência mundial é chamada de Economia Criativa, porque se distingue da economia tradicional – aquela em que quem detém os meios de produção tem a fonte da riqueza. Na economia criativa, o capital intelectual é o fator primário. O que caracteriza um produto criativo, segundo alguns estudiosos, é que seu preço é dado por sua dimensão simbólica. Microempresários e empreendedores autônomos foram os principais atores para fazer o valor de bens criativos exportados pelo Brasil disparar de US$ 740 milhões para US$ 1,2 bilhão em 2008, segundo a UNCTAD. Em todo o mundo, o volume de bens e serviços criativos que circulou pelas fronteiras chegou a US$ 400 bilhões em 2008. Do que saiu do Brasil como produto criativo estão, por exemplo, as o design produzido pelos irmãos Campana, as propagandas nacionais em Cannes ou o desenho do Peixonauta. Leia também: MinC quer criar centros de estímulo à criatividade nas cidades UNCTAD: Temos muito mais a oferecer do que café, suco e minério. No Brasil, o conceito de economia criativa é recente. Há dois anos apenas o governo do Rio possui uma coordenadoria dentro de sua secretaria de cultura. A Bahia também possui uma área específica e outros Estados têm mostrado interesse na abordagem. A Universidade Estadual do Ceará firmou uma parceria com a universidade de Queensland, na Austrália, onde os estudos sobre o tema são mais avançados, para montar um observatório sobre Economia Criativa do Nordeste. E o Sebrae também deve criar uma linha específica para tratar do tema com pequenos empreendedores em breve. Criatividade por reduzir desigualdades Para concentrar esforços em torno dessas profissões e produções criativas em nível nacional, o Ministério da Cultura (MinC) decidiu criar a Secretaria de Economia Criativa. Mas a futura secretária dona dessa cadeira, Cláudia Leitão, é a primeira a assumir que Economia Criativa ainda é um conceito em construção. “No Brasil entendemos que a criatividade tenha de se reverter em mais desenvolvimento e menores desigualdades regionais.”

Foto: Divilgação Peixonauta é um cartoon brasileiro exportado para 65 países Segundo Claudia, são quatro os desafios do governo brasileiro na área da Economia Criativa: o levantamento de informações, para saber qual a exata importância financeira desse segmento, a articulação e o estímulo ao fomento de empreendimentos, a capacitação de agentes para trabalhar nessa competência criativa e a infraestrutura da economia criativa – desde a produção até o consumo. “Os grandes não precisam de tanta atenção, mas queremos garantir sustentabilidade, diversidade e inclusão, pensando no empreendedorismo do pequeno.” Por isso, é necessário pensar em marcos regulatórios que protejam esse microempreendedor criativo e façam ele aprender gestão e se formalizar, diz Claudia. Ela já teve reuniões com representantes de 15 ministérios para tratar de temas correlatos à sua meta, que deve resultar em um projeto de lei. “É preciso uma política de desoneração fiscal e normas que possam proteger esse produtor criativo, como uma previdência, questões trabalhistas e fiscais.” A economia criativa está em trabalhos como o da Fundação Casa Grande, comenta Claudia. A organização não-governamental de Nova Olinda (CE) funciona como pólo de produção cultural de diversos tipos, desde a produção de sandálias que já foram expostas na São Paulo Fashion Week (SPFW) até a instalação de pousadas e albergues para desenvolver o turismo cultural na região. “Iniciativas como essa formam um círculo virtuoso na região”, diz.

Anúncios

Deixe um comentário

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair /  Alterar )

Foto do Google+

Você está comentando utilizando sua conta Google+. Sair /  Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair /  Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair /  Alterar )

w

Conectando a %s